Desvendando o Diagrama de Ishikawa

·

·

,

Olá, caros leitores,

Estamos aqui para partilhar conhecimentos e práticas que podem alavancar a sua gestão e aprimorar a sua visão de negócio. Nesta edição da nossa Newsletter “Ferramentas de Gestão“, vamos desvendar o mundo do Diagrama de Ishikawa, uma ferramenta essencial para identificar, analisar e resolver problemas.

O Diagrama de Ishikawa, que recebe o nome de seu criador Kaoru Ishikawa – um grande nome em gestão da qualidade, tem como objetivo analisar as causas primárias e secundárias de um determinado problema. Este diagrama é muitas vezes chamado de Diagrama de Causa-Efeito ou, devido à sua forma, Diagrama Espinha-de-Peixe.

Este último termo é uma analogia, onde a cabeça do peixe representa o “efeito conhecido” (ou seja, o problema que está sendo analisado) e as espinhas dorsais do peixe representam as causas primárias. Para os novatos na arte da gestão, a distinção entre causa e efeito pode parecer óbvia, mas é essencial entender que a causa é a origem ou razão pela qual algo acontece, enquanto o efeito é a consequência ou resultado disso.

O Diagrama de Ishikawa é normalmente baseado no método 6M’s ou suas variantes, onde as causas primárias são agrupadas em seis categorias: Meio Ambiente, Medida, Matéria Prima, Mão-de-obra, Método e Máquina. É a análise dessas categorias que nos leva a identificar a causa-raiz do problema.

Agora você deve estar se perguntando: “Como podemos aplicar isso de maneira eficaz?” Uma abordagem comum é começar identificando o efeito conhecido. Por exemplo, suponha que sua produção esteja enfrentando atrasos constantes. Em seguida, investigue as possíveis causas dentro de cada uma das seis categorias do método 6M’s. Será que a formação da mão-de-obra está inadequada? Ou talvez exista uma falha em algum equipamento que esteja causando os atrasos?

Depois de analisar as causas primárias, você deve continuar a investigação até identificar a causa-raiz. Pode ser uma tarefa complexa e exigir um olhar cuidadoso, mas uma vez que a causa-raiz é identificada, você pode elaborar um plano de ação corretivo para resolver o problema de maneira eficaz.

Lembre-se, a correção da causa-raiz é fundamental para evitar o retrabalho que advém da resolução dos efeitos superficiais do problema. O Diagrama de Ishikawa é uma ferramenta visual que facilita o diagnóstico, ajudando-nos a identificar a origem dos problemas e a desenvolver soluções eficazes.

Espero que esta visão geral do Diagrama de Ishikawa o ajude a enfrentar e resolver os problemas que possam surgir no seu caminho. Não se esqueça, a verdadeira arte da gestão está na capacidade de identificar problemas, investigar as suas causas e encontrar soluções inovadoras.

Agora, gostaria de apresentar um exemplo prático do uso do Diagrama de Ishikawa. Esse foi o mais simples que encontrei, para que possamos assimilar melhor no funcionamento da ferramenta e nos aprofundarmos um pouco mais neste assunto.

Prontos para transformar um problema em oportunidade de aprendizado e ação?

Imagine o seguinte cenário: sua impressora está funcionando, mas as folhas estão saindo manchadas. O problema (ou “efeito conhecido”) é claro, mas a causa ainda é desconhecida. Você começa a perguntar: A tinta acabou? Existe algum bloqueio físico no processo de impressão? Ou será um erro lógico?

Embora essas perguntas sejam um bom ponto de partida, precisamos de um método mais completo para identificar as causas primárias do problema. Aqui é onde o Diagrama de Ishikawa entra em cena, fornecendo uma estrutura para identificar e avaliar seis possíveis causas:

1. Meio Ambiente (M1) – A máquina está superaquecendo por causa do ambiente que não está climatizado.

2. Medida (M2) – Não existe periodicidade nem controle de manutenção.

3. Matéria-prima (M3) – O cartucho de tinta da impressora não é de uma marca autorizada.

4. Mão-de-obra (M4) – Não há manutenção preventiva nos cartuchos.

5. Método (M5) – A forma de operar a máquina não é a mais adequada.

6. Máquina (M6) – A impressora é uma máquina muito antiga.

Ao analisar cada uma dessas causas, descobrimos que a causa mais provável do problema é a M3 (Matéria-prima) – a tinta utilizada não é adequada para a máquina. Antes de utilizar o Diagrama de Ishikawa, você poderia ter presumido que a máquina, por ser antiga, precisava ser substituída. No entanto, ao considerar todas as possíveis causas, descobrimos que a solução mais eficiente e rentável seria simplesmente melhorar os insumos.

Para visualizar essa análise, podemos desenhar um Diagrama de Ishikawa, com a “espinha de peixe” representando as várias causas possíveis do problema. As causas secundárias, que se ramificam das espinhas dorsais principais, são as possíveis raízes do problema.

Uma vez identificada a causa-raiz, é hora de priorizar e desenvolver contramedidas – ações que bloqueiam as causas, fazendo com que os efeitos do problema desapareçam. No nosso exemplo, a contramedida seria usar um cartucho de tinta de marca autorizada.

O exemplo citado é bem simplório, porém o que vale aqui é a ideia. Você entendeu que um problema exige análise de causas e efeitos? Se sim, você não mais tomará decisões sem antes analisar as razões do problema existir. Portanto, espero que este exemplo ilustre como o Diagrama de Ishikawa pode ser uma ferramenta prática para diagnosticar problemas e desenvolver soluções eficazes.

Em breve, apresentarei outra ferramenta complementar para diagnosticar problemas, conhecida como a “Técnica dos 5 Porquês“. Recomendo que você a utilize em conjunto com o Diagrama de Ishikawa para uma análise de problema mais eficiente.

Não se esqueça: a gestão eficaz não se trata apenas de resolver problemas, mas de entender suas causas e aprender com eles.

Deixo aqui uma recomendação de leitura: Diagrama de Ishikawa: Diagnosticar e resolver problemas (Ferramentas de Gestão) Clique aqui.

O diagrama de Ishikawa, também conhecido como Diagrama Espinha de peixe ou diagrama causa e efeito, é uma ferramenta desenvolvida pelo Eng. Químico Dr. Kauro Ishikawa, um estudioso e especialista em controle da qualidade. No Japão foi consultor de grandes empresas em sua época. O seu método se tornou, vastamente, conhecido por ser simples e eficaz.

Até a próxima, Adm. Orlando Lima.



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *