Método FMEA: Como encontrar falhas no processo e corrigi-las.

Compartilhe!

 

Identificar possíveis falhas em processos e corrigi-las é a principal função do Método de Análise de Modo de Falha e Efeito. Para utilizar essa ferramenta, a princípio, faz-se necessário construir instrumentos de medição, isto é, as escalas de 0 (zero) a 10 (dez).

O método FMEA é aplicado com base em três escalas. A primeira qualifica a ocorrência da causa, ou seja, a probabilidade de uma causa vir a existir e provocar uma determinada falha no processo, essa é representada pela letra “O”. Ela varia de 1 (um) a 10 (dez), onde 1 (um) representa probabilidade de ocorrência mais baixa e 10 (dez) mais alta, conforme a escala.

A segunda, qualifica a gravidade do efeito, que diz respeito à probabilidade de o cliente identificar a falha e, também, ser prejudicado caso ela ocorra. Essa é representa pela letra “G” e possui um intervalo de 1 (um) a 10 (dez). Nessa escala, 1 (um) refere-se à “nunca”, ou seja, a falha “nunca é identificada e nem é prejudicial ao cliente” e 10 (dez) refere-se à “sempre”.  

Além dos critérios “Ocorrência e Gravidade” também devemos analisar a probabilidade da falha ser detectada pela empresa antes do produto chegar ao cliente final, isto é, o meio de detecção, essa é representada pela letra “D”. Para tanto, utilizamos a escala invertida, ou seja, de 10 (dez) a 1 (um), onde 10 (dez) representa “nunca”, e 1 (um) “sempre”. Seguindo a mesma lógica de classificação das escalas anteriores.

Para analisar um processo, inicia-se a listagem dos efeitos da falha. Nesse ponto é necessário inserir os problemas identificados em cada parte do processo. Para tanto, é recomendável utilizar uma ferramenta auxiliar como, por exemplo, o diagrama de causa-efeito também chamado de diagrama de Ishikawa, o qual apresentei no início desta seção. 

Após a listagem de cada etapa do processo. Agora, deve-se atribuir notas conforme a escala: gravidade do efeito. Chamaremos de escala “G”.

A escala “G” serve para extrair notas compatíveis com a gravidade correspondente aos efeitos identificados no processo listado.

Diante do processo escolhido, quais efeitos ou problemas você consegue identificar nele? Quais notas você daria para a gravidade desses efeitos? Entenda por gravidade algo que é sério, crítico passível de provocar maiores danos. Então, com base nesse conceito quão grave é de fato o problema analisado? Vale salientar que os efeitos são identificados pelos clientes e relatados por eles. Então, qual a probabilidade em que o cliente identifique a falha e seja prejudicado por ela?

Em um processo de atendimento, poderíamos citar vários efeitos negativos relatados pelos nossos clientes como, por exemplo, atraso na fila. Então, qual a gravidade da falta de agilidade no atendimento? Use a escala “G”. 

Em seguida devemos fazer o mesmo em relação à probabilidade da causa existir e provocar falhas no processo. Então, classificamos com base na escala Ocorrência da Causa “O”. Essa vai nos dizer se a ocorrência dos atrasos no atendimento é recorrente ou não.

Por fim, listamos os métodos utilizados para detectar a ocorrência de uma possível falha com base na última escala Meio de Detecção “D”. Essa diz respeito à probabilidade da falha ser detectada antes do produto chegar ao cliente. Continuando com o exemplo citado anteriormente, qual é o meio de detecção numa escala de 10 (dez) a 1 (um)? Será que os efeitos negativos são identificados antes do cliente reclamar?

Chegamos à etapa final onde o índice de risco é calculado com base nas classificações inseridas na tabela, por meio do cálculo: G x O x D, ou seja, a multiplicação dos valores de Gravidade, Ocorrência e Detecção com base nas três escalas apresentadas. É importante observar os efeitos da falha sob a perspectiva da gravidade, ocorrência e meio de detecção, respectivamente. Além disso, vale salientar que existe uma hierarquia entre os efeitos ou problemas listados, isso será revelado pelo cálculo do índice de risco.

É importante resolver os problemas que possuem um índice de risco mais elevado, visto que, eles são mais graves e tendenciosos a piorar. Dessa forma, as ações preventivas elaboradas para garantir o bom desempenho dos processos são elaboradas com base nos efeitos do processo analisado. Portanto, a análise prévia que podemos chamar de diagnóstico de falhas é importante para controlar os efeitos que tendem a serem mais graves, recorrentes e de difícil detecção.

Voltando ao exemplo anterior, quando listamos os efeitos negativos do processo de atendimento e encontramos o índice de risco mediante o método FMEA fica fácil elaborar um plano de ação que garantirá um bom desempenho do processo. Isso é possível quando mapeamos todas as possíveis falhas.

GOSTOU? QUER APRENDER USAR ESTA FERRAMENTA DE FORMA SIMPLES UTILIZANDO APENAS O EXCEL?

Inscreva-se em nossa Newsletter

Receba atualizações em seu e-mail

More To Explore

Orientador de TCC simples

Eu não sei em qual parte você está do seu TCC.   Por esse motivo, vou te mostrar um vídeo muito interessante sobre como escolher

Ferramentas

Técnica dos 5 Porquês

A simplicidade e eficácia desta ferramenta faz dela um ótimo recurso para diagnosticar e resolver problemas. A técnica dos Cinco Porquês é uma ferramenta desenvolvida pelo Eng. Químico Taiichi Ohno, notório

Gostaria de receber nosso E-book, gratuitamente?

Clique no botão abaixo